GERAL

Governo libera mais R$ 6,7 bi para comprar arroz importado

Publicado em

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) assinou nesta sexta-feira duas medidas provisórias (MP) para viabilizar a importação de 1 milhão de toneladas de arroz. A compra é um movimento do governo para evitar o aumento de preço do alimento, que teve sua produção comprometida pelas enchentes no Rio Grande do Sul, responsável por cerca de 70% da produção nacional.

Foram liberados mais R$ 6,7 bilhões para compra do arroz estrangeiro, que segundo o governo, deve chegar aos mercados pelo preço tabelado de R$ 4 o quilo. Uma outra MP permite que a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que fará a importação, venda o produto no mercado interno.

Com essa MP, já foram liberados R$ 7,2 bilhões para a compra de até 1 milhão de toneladas de arroz estrangeiro. O governo zerou a tarifa de importação de três tipos de arroz na última segunda–feira.

 “Os estoques adquiridos serão destinados à venda direta para mercados de vizinhança, supermercados, hipermercados, atacarejos e outros estabelecimentos comerciais com ampla rede de pontos de venda nas regiões metropolitanas”, diz o governo em nota divulgada neste sábado.

Leia Também:  Motoristas da BR-163/364 passam a contar com três novas bases de atendimento da Nova Rota do Oeste

A compra foi feita pelo ministério do Desenvolvimento Agrário, comandado pelo ministro Paulo Teixeira, que destacou a importância da iniciativa.

“Esta medida provisória é um passo crucial para garantir a segurança alimentar de todo o povo brasileiro”, afirmou.

O governo do Rio Grande do Sul, por outro lado, afirma que a safra de arroz produzida no estado ao longo deste ano é suficiente para abastecer a demanda do país, mesmo com os prejuízos causados pelos temporais que atingem o estado desde o fim do mês passado.

Em nota publicada nesta terça-feira, o governo do estado afirmou que a importação de arroz é “desnecessária” e que a safra produzida no RS “deve ficar em torno de 7,1 milhões de toneladas, mesmo com as perdas pelas inundações que o Estado sofreu em maio”.

Anúncio

COMENTE ABAIXO:
Anúncio

Lucas do Rio Verde

MAIS LIDAS DA SEMANA