Search
Close this search box.

MUNDO

Blindados chegam a Roraima e reforçam fronteira com Venezuela e Guiana

Publicado em

O Exército brasileiro completou o envio de 28 blindados para Roraima com objetivo de reforçar a segurança na fronteira com Venezuela e Guiana após o aumento da tensão entre os dois países devido à disputa pela região de Essequibo.

A transferência de blindados para o norte do país faz parte da Operação Roraima, que tem mandado equipamentos militares para a região amazônica. Segundo o Exército, o projeto prevê o aumento em 10% o efetivo de tropas no Comando Militar do Norte e no Comando Militar da Amazônia.

“A chegada dos blindados é resultado do planejamento do Exército Brasileiro voltado para reforçar e priorizar a Amazônia”, afirmou, em nota, o Centro de Comunicação Social do Exército.

A estrutura da unidade militar de Roraima tem sido ampliada de esquadrão para regimento. “Após a transformação completa da unidade, prevista para 2025, o Regimento passará a ter três esquadrões e um efetivo de cerca de 600 militares”, informou o Exército.

Esses equipamentos saíram de Campo Grande (MS), em 17 de janeiro, e chegaram à Manaus na semana passada, após percorrerem mais de 3,5 mil quilômetros. Em seguida, foram deslocados até Roraima.

Leia Também:  Assaltante atira contra moradora de prédio que gravava roubo; assista

O comboio que chegou à Boa Vista (RR) foi composto por 14 Viaturas Blindadas Multitarefa (VBMT) 4×4 Guaicurus, todas equipadas com sistemas de armas remotamente controlados, meios optrônicos de visão termal e módulos de comando e controle, além de oito Viaturas Blindadas de Transporte de Pessoal Médio sobre Rodas (VBTP-MR) Guarani, seis Viaturas Blindadas de Reconhecimento Média Sobre Rodas (VBR-MSR) EE-9 Cascavel, e outras viaturas administrativas.

Disputa territorial

O deslocamento de tropas e equipamentos militares para Roraima teve início após a escalada de tensões entre Venezuela e Guiana causada pela disputa pelo território de Essequibo. Alvo de uma controvérsia que remonta ao século 19, esse território voltou a ser reclamado pelo governo da Venezuela no ano passado. Em dezembro, os eleitores venezuelanos aprovaram, em referendo, a incorporação de Essequibo, que soma 75% da atual Guiana.

O território de 160 mil km² com uma população de 120 mil pessoas é alvo de disputa pelo menos desde 1899, quando esse espaço foi entregue à Grã-Bretanha, que controlava a Guiana na época. A Venezuela, no entanto, não reconhece essa decisão e sempre considerou a região “em disputa”

Leia Também:  Novo terremoto atinge o Afeganistão

Em 1966, as Nações Unidas intermediaram o Acordo de Genebra – logo após a independência da Guiana –, segundo o qual a região ainda está “por negociar”. Existem estimativas que a região dispõe de bilhões de barris de petróleo.

Em 15 de dezembro de 2023, os presidentes da Venezuela, Nicolás Maduro, e da Guiana, Irfaan Ali, se comprometeram a não usar a força um contra o outro para resolver a controvérsia. O Brasil ajudou a mediar o encontro e uma nova reunião entre os dois presidentes deve ocorrer até março deste ano para continuar as negociações.

Advertisement

Fonte: EBC Internacional

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

MUNDO

Na América do Sul, seguidores de religiões de matriz africana crescem

Published

on

Milhares de devotos de diferentes religiões africanas se reuniram na praia da capital uruguaia em 2 de fevereiro como parte de uma oferenda anual à deusa da fertilidade e prosperidade, Iemanjá.

“A pessoa olhava para o mar para retornar à liberdade, à África natal”, disse Susana Andrade, conhecida como “Mãe Susana de Oxum”, presidente da Federação Afro-Umbandista do Uruguai. “Foi uma maneira de escapar do horror da escravidão e humanizar a natureza.”

Os seguidores de religiões africanas estão em ascensão na América do Sul, segundo novos dados, e isso pode ser um reflexo de como a herança africana da região está ganhando mais voz além do Brasil, onde essas tradições são amplamente reconhecidas.

Pesquisas sobre crenças religiosas na Argentina e no Uruguai apontam para um número crescente de pessoas que se identificam com crenças de inspiração africana.

Sasha Curti, que cresceu em uma família uruguaia predominantemente católica, foi até a praia de Ramirez, em Montevidéu, com membros de seu templo de Umbanda para agradecer a Iemanjá.

“Não estamos mais escondidos”, disse Curti, que trabalha como cabeleireira especializada em cabelos afro, uma mudança que ela atribuiu a uma maior educação sobre sua história. “Mas ainda há muita discriminação e trabalho a ser feito.

Ao longo da praia de Ramirez, grupos cavam altares rasos na areia, colocando velas, melancias e milho como oferendas a Iemanjá, muitas vezes chamada de rainha do mar, para pedir boa sorte.

A umbanda, assim como o candomblé, foi popularizada pela primeira vez no nordeste do Brasil e tem suas raízes no comércio transatlântico de escravos. De acordo com os pesquisadores, os fiéis combinavam crenças nativas africanas com elementos do catolicismo e tradições indígenas locais, criando religiões sincréticas que não foram detectadas pelos europeus.

Leia Também:  Novo terremoto atinge o Afeganistão

Mais de 2% da população do Uruguai se identifica como seguidora de religiões de inspiração africana como a Umbanda.

“Conquistamos direitos”

Uma pesquisa realizada pela socióloga uruguaia Victoria Sotelo, da Universidade da República, constatou que o número de pessoas que praticam uma religião de origem africana no país mais do que dobrou em 12 anos, atingindo 2,1% da população em 2020, em comparação com 0,7% em 2008.

Advertisement

Na Argentina, os adeptos também estão aumentando, embora estejam partindo de uma base mais baixa. O instituto de pesquisas sem fins lucrativos Latinobarómetro constatou que 0,3% da população argentina em 2023 afirmou ter praticado uma religião afro-americana por pelo menos seis anos, em comparação com 0,1% em 2008.

Um possível fator contribuinte é o crescente reconhecimento da identidade cultural afrodescendente que há muito tempo é silenciada na Argentina e no Uruguai.

Em um sinal de mudança de percepção da identidade racial, a Argentina incluiu formalmente uma pergunta sobre afrodescendentes em seu censo nacional de 2022, o que foi visto como uma vitória pelos ativistas.

“Há uma população (negra) muito grande na Argentina que, devido ao processo histórico pelo qual passou, não se reconhece como uma pessoa de ascendência africana”, disse Greta Peña, ex-diretora do Instituto Nacional Contra a Discriminação, Xenofobia e Racismo (INADI) da Argentina.

Leia Também:  Família Confirma Falecimento de Brasileira Atacada pelo Hamas em Rave Próxima à Faixa de Gaza

Existe um “mito fundamental” de uma Argentina estritamente europeia, disse ela, que ajudou a apagar a cultura negra da consciência da nação.

O Paraguai, por outro lado, aprovou uma lei antidiscriminação em 2022 para proteger as pessoas de ascendência africana.

Este ano, o Colectivo Hijos de la Diáspora de Uruguay, um grupo dedicado ao reconhecimento da cultura de origem africana, espera que, quando os resultados de 2023 forem publicados, a porcentagem de pessoas que se identificam como afrodescendentes estará bem acima dos 8% registrados no censo de 2008.

Os devotos dessas religiões não são exclusivamente de origem africana, mas a maior adesão às práticas espirituais tradicionais está ajudando a aumentar a consciência racial de forma mais ampla.

Embora as religiões tenham ganhado terreno, com seus costumes sociais relativamente liberais e foco na comunidade, mais trabalho precisa ser feito para combater a estigmatização, alertou Mãe Andrade.

As histórias orais e as tradições associadas às religiões africanas foram mal interpretadas ou demonizadas como “bruxaria”, explicou ela.

Advertisement

“Conquistamos o direito de praticar a religião, o que, em teoria, nos protege da discriminação”, disse ela. “Mas, na realidade, não temos nem mesmo templos isentos de impostos, como as igrejas, e não somos tratados com igualdade.”

* É proibida reprodução deste conteúdo

Fonte: EBC Internacional

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

LUCAS DO RIO VERDE

MATO GROSSO

POLÍCIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA