MUNDO

Dois terços das crianças da Guiné-Bissau não concluem ensino primário

Publicado em

Mais de dois terços das crianças da Guiné-Bissau não concluem o ensino primário. A educação é uma das maiores privações de direitos num país onde mais da metade da população é de jovens. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (20) pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

O levantamento foi apresentado na abertura de um fórum que marca o Dia da Criança e discute com os jovens a Guiné-Bissau que querem, alinhados com a visão da União Africana.

Segundo o Unicef, “na Guiné-Bissau a análise multidimensional das privações das crianças, realizada em 2021, mostrou claramente que quase sete em cada dez sofrem seis ou mais privações dos seus direitos ao mesmo tempo”.

A pobreza faz parte das privações, sendo um dos grandes pontos que atingem as crianças e jovens do país, como disse à Lusa Wilson Gama, da instituição. Ele destacou também a questão educacional.

“A taxa de conclusão do ensino primário está em 30%, segundo o último relatório que diz que três em cada dez crianças concluiu o ensino primário. É preocupante”, afirmou.

Leia Também:  Japão combaterá desinformação nas redes sociais

Os indicadores relativos à educação constam de relatório realizado em 2018 e a organização não tem outros dados mais atualizados.

A análise sobre as privações, realizada em 2021, mostra também, que “os jovens estão na quinta posição entre os mais vulneráveis aos impactos das mudanças climáticas”.

Os impactos são sentidos em relação à saúde, educação e proteção, deixando-os expostos a doenças graves, num país onde “as crianças estão altamente expostas a inundações costeiras e poluição do ar”.

O relatório defende investimentos em serviços sociais, especialmente na educação, água, higiene e saneamento.

Segundo o documento, “76% de crianças são vítimas de disciplina violenta”, apenas “14% têm acesso a saneamento” e o índice das que participam de programas da primeira infância é inferior a 15%. “São dados preocupantes para a Guiné-Bissau”, reiterou.

Anúncio

Para o representante do Unicef, as mudanças não dependem só do governo. “Todos temos um papel a desempenhar, desde os pais em casa, desde os parceiros nacionais e internacionais, os líderes religiosos e comunitários, mas obviamente o governo tem papel diferente em relação às outras entidades”, observou.

O objetivo do fórum em Bissau é elaborar um plano de ação para ser encaminhado ao governo guineense com propostas para alterar a situação.

Leia Também:  Entidades do setor econômico repudiam invasões aos Três Poderes

A iniciativa junta-se às celebrações do Dia Mundial da Criança, comemorado em 20 de novembro em todo o mundo, simultaneamente ao aniversário da criação da Convenção sobre os Direito da Criança, em 1989, pelo Comitê dos Direitos das Crianças, das Nações Unidas.

O fórum da juventude reúne jovens de todas as regiões da Guiné-Bissau, que vão contribuir com opiniões sobre o tema e as experiências de cada comunidade. Eles deverão elaborar um plano de ação sobre a visão dos jovens em relação ao país em que vivem.

Fonte: EBC Internacional

COMENTE ABAIXO:
Anúncio

Lucas do Rio Verde

MAIS LIDAS DA SEMANA