POLÍTICA

Discussão entre Botelho e Lúdio começou na antessala do plenário com xingamentos e ameaças

Publicado em

A confusão entre Eduardo Botelho (União) e Lúdio Cabral (PT), que acabou em bate-boca e empurrão no Plenário da Assembleia Legislativa de Mato Grosso nesta quarta-feira (3), começou na antessala do Plenário Renê Barbour, inclusive com xingamentos e ameaças. A briga foi toda em função do requerimento que pedia a votação em caráter de urgência ao projeto apresentado pelo petista que obriga realização de licitação para a operacionalização do BRT e que a tarifa nos primeiros cinco anos não custe mais que R$ 1.

Conforme apurou a reportagem do Olhar Direto, o deputado Lúdio Cabral trouxe o projeto de lei ao plenário e começou a colher assinaturas dos pares dizendo que a pauta pedia apenas licitação para o BRT de Cuiabá. No entanto, dentro do projeto havia um item que acrescentava que o valor utilizado da venda dos vagões do VLT poderia ser usado para subsidiar a passagem do transporte público e deixar por cinco anos a bilhetagem em R$ 1 para a população usuária do transporte público.

Botelho, ao perceber que dentro da pauta existia um trecho, denominado “submarino”, (ou seja, obscuro e escondido no vocabulário político), chamou os pares para debate e nesse momento houve a primeira discussão. Botelho estava explicando a pauta aos colegas e Lúdio entrou dizendo que estavam escondendo o requerimento.

Leia Também:  Homem ataca juíza e 'voa' em tribunal de las vegas após ouvir sentença por agressão. VEJA VÍDEO

Botelho respondeu que não era questão de esconder, mas sim de explicar, pois os parlamentares estavam assinando algo que não sabiam de verdade o que era. Lúdio não gostou e foi pra cima de Botelho dizendo que ele estava o desrespeitando. Nesse momento, houve pedido de respeito e começaram os xingamentos. Lúdio ameaçou acionar Botelho na Comissão de Ética. Depois disso, continuou o bate boca.

Já de volta no planério, Botelho colocou o projeto em cima da mesa e mesmo assim Lúdio insistia que a pauta tinha desaparecido.

Para votar algo em regime de urgência, ou seja, sem apreciação das comissões, é necessário que o requerimento seja aprovado e o que precisava ser votado primeiro era o requerimento. Vale ressaltar que Lúdio havia obtido 11 assinaturas de deputados. Entretanto, quando o projeto foi à votação, Botelho pediu a recontagem das assinaturas e os deputados da base aliada do governador Mauro Mendes (União) pediram a retirada de suas assinaturas, alegando que não sabiam da parte que tratava do limite de preço para o bilhete do BRT.

Leia Também:  Eleições 2024 mais parado do que água no poço em Lucas do Rio Verde

Após o ocorrido, o pedido de urgência foi rejeitado com 13 votos contrários. Botelho afirmou que Lúdio terá o direito de debater o projeto nas Comissões, mas pediu ao deputado que não exponha os colegas pedindo voto nominal.

Depois disso começou a discussão mais ríspida, com Botelho pedindo para Lúdio não expor os colegas e em seguida os insultos até um empurrão de Botelho em Lúdio. Depois de tudo isso, os deputados falaram com a imprensa e prometeram estudar o que pode ser feito para resolver.

Lúdio Cabral chamou uma coletiva e deve anunciar que vai acionar o presidente da ALMT na Comissão de Ética da Casa. A comissão é presidida pela deputada Janaina Riva e acompanhada pelos deputados Wilson Santos, Diego Guimarães, Elizeu Nascimento e Júlio Campos.

Anúncio

COMENTE ABAIXO:
Anúncio

Lucas do Rio Verde

MAIS LIDAS DA SEMANA